Máximo critica ação da PF e do Ibama em queimar balsas e dragas acusadas de serem utilizadas para atender o garimpo ilegal

Parlamentar do União Brasil afirmou que iniciativa dos dois órgãos federais prejudica mais de 5 mil famílias

(Brasília-DF, 20/10/2023) O deputado Fernando Máximo (União Brasil-RO) criticou na última quarta-feira, 18, a ação da Polícia Federal (PF) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) em queimar balsas e dragas acusadas de serem utilizadas para atender o garimpo ilegal.

Segundo o parlamentar do União Brasil, a iniciativa dos dois órgãos federais prejudica mais de 5 mil famílias no estado de Rondônia. Ele classificou a ação da PF e do Ibama de “atrocidade”.

“Eu quero falar aqui das atrocidades que estão acontecendo no Estado de Rondônia, cometidas pela Polícia Federal e pelo IBAMA. Eles estão queimando dragas e balsas paradas, que não estão trabalhando, ficam aportadas dentro de Porto Velho. A legislação diz que até podem queimar as dragas e balsas se estiverem cometendo o crime do garimpo, o que não estão cometendo neste momento, e se for de difícil transporte essas embarcações até a cidade. Mas as balsas estão na porta da cidade, sem trabalhar, e eles estão queimando, tocando fogo nelas”, comentou.

“Mais de 5.100 famílias estão prejudicadas, mais de 5 milhões de reais, por dia, de recursos param de girar no Município de Porto Velho por conta dessas atrocidades. E o coitado do garimpeiro, que precisa sustentar a sua família, não tem nem como recorrer, porque o patrimônio dele já acabou. Queimaram, destruíram, explodiram as balsas e dragas, que estavam paradas, sem trabalhar, por um suposto crime de garimpagem, que não tem comprovação. Isso é um absurdo! Quero deixar aqui o nosso repúdio”, complementou.

(por Humberto Azevedo, especial para a Bancada do Norte)

Deixe um comentário

Máximo critica ação da PF e do Ibama em queimar balsas e dragas acusadas de serem utilizadas para atender o garimpo ilegal