Dorinaldo Malafaia pede que Fundo da Amazônia saia das mãos da “Faria Lima” e das ONGs

Pedetista amapaense elogiou a retomada dos encontros do BASA com a Bancada do Norte para pensar e articular melhor a região amazônica

(Brasília-DF, 24/10/2023) O deputado Dorinaldo Malafaia (PDT-AP) pediu nesta terça-feira, 24 de outubro, aos dirigentes do Banco da Amazônia (BASA) para que o Fundo da Amazônia que administra os recursos doados por empresas e governos de países mais ricos com objetivo de preservar a floresta amazônica saia das mãos dos investidores da “Faria Lima” e das Organizações Não Governamentais (ONGs).

O pedido do pedetista aconteceu durante o café da manhã oferecido pelo BASA aos 65 deputados federais eleitos pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Na oportunidade, Dorinaldo Malafaia elogiou a retomada dos encontros promovidos pelo BASA com a Bancada do Norte para pensar e articular melhor a região amazônica.

“Eu queria um pouco abordar uma questão, que está logicamente no horizonte que tem a ver com a COP [Conferência do Clima das Nações Unidas]. Vocês tem clareza que nós temos um processo nessa COP-Dubai. Há uma grande discussão de como a Amazônia chega nesta importante reunião e há obviamente um debate sobre a COP na Amazônia, que também é um importante desafio do ponto de vista hoteleiro, logístico e de recepção desta quantidade de pessoas [que nos visitarão]. Então é um grande desafio”, iniciou.

“Tem outras questões que estão colocadas, por exemplo, que não pode ser decidida pela Faria Lima. Não pode o Fundo Amazônia, como tradicionalmente é – onde as grandes ONGs estabelecem as regras e levam para nós apenas entre aspas alguns benefícios assistencialistas. Então, todos sabem disso e eu estou muito a favor da fala do presidente [da Sudam] Paulo Rocha, [… de que] nós temos uma série de instituições nacionais que não tem dialogado no sentido de conectar essas ações”, complementou.

(por Humberto Azevedo, especial para a Bancada do Norte, com edição de Genésio Jr.)

Deixe um comentário